Bolsonarismo, aliança política e financiamento travam Zema na reeleição

Favorito nas primeiras sondagens e pela força do cargo, o governador Romeu Zema (Novo) não precisa das pesquisas para saber que tem três difíceis obstáculos à sua reeleição em 2022. Todos eles têm conexão com a maneira pela qual se projetou na eleição passada e virou governador. O maior deles é o bolsonarismo do qual vem sendo aconselhado a se afastar e se desvincular por conta da queda de aprovação e omissão do presidente na pandemia. Não será fácil.

Aproximação com Bolsonaro é desaconselhada por aliados de Zema, foto Pedro Gontijo/ Imprensa MG


Todos viram, e está gravado, Zema pedir votos para Bolsonaro na eleição de 2018, ao vivo na TV, mesmo sendo infiel ao próprio partido e ao candidato presidencial dele (João Amoêdo). Durante a gestão, o governador nunca contestou Bolsonaro, ao contrário, tentou tirar proveito da proximidade com ele. Seu principal concorrente, Alexandre Kalil (PSD), prefeito de Belo Horizonte, se candidato, deverá explorar e fazer a vinculação.


As outras duas travas referem-se à rejeição às alianças políticas com partidos tradicionais e, por último, o uso do financiamento público para sua campanha. Ambas as posições figuram como regras no estatuto partidário, embora o Novo aceite participar do horário gratuito eleitoral de TV e rádio, que é financiado por dinheiro público.


Duas correntes batem cabeça


Há uma corrente do partido e do governo que defende a realização de alianças para ampliar a sustentação política; outra prega a chapa puro-sangue, sem coligações. Essa última opção eliminaria também o terceiro obstáculo, porque, ao fazer aliança com outro partido, não teria como impedi-lo de usar o financiamento partidário e eleitoral.


Para distanciar-se de Bolsonaro sem perder votos ou sofrer represálias, Zema e seu grupo torcem para que o senador mineiro Rodrigo Pacheco (DEM) seja candidato presidencial. Pela identidade regional, teria argumento favorável a essa opção, desde que Pacheco não mude para o PSD, partido do rival Kalil.


Financiamento público ou privado?


No campo das alianças, o partido mais próximo hoje dele é o PP, que lhe dá apoio político na Assembleia Legislativa e no governo. Chefiado pelo deputado federal Marcelo Aro, o PP pretende caminhar junto com Zema, especialmente depois que rompeu com Kalil. Com certeza de sua trajetória, esse partido não abrirá mão do uso do financiamento partidário e eleitoral.


Sem alianças e sem financiamento público, o governador teria como alternativa o apoio financeiro de empresários aliados. Entre eles, o presidente da Federação das Indústrias de Minas (Fiemg), Flávio Roscoe, e os chamados 4Rs, que sustentam financeiramente o time do Atlético Mineiro. Além deles, há o ultradireitista Salim Mattar (Localiza). A limitação aqui é de natureza legal, já que os empresários só podem participar financeiramente como pessoas físicas.


LEIA MAIS: Zema vive dilema de ficar ou sair do partido Novo por aliança com Bolsonaro

pecas_ead_blog_do_orion ouyt 21.png
MAIS LIDOS
RECENTES