BANNER-728X90 B.jpg

Zema adia para último dia sanção do auxílio a quem tem pressa e fome

Apesar da pressa em se apropriar indevidamente da proposta de auxílio emergencial para famílias carentes na pandemia, o governador Zema ainda não sancionou a nova lei. Dezoito dias após a aprovação pelos 77 deputados estaduais, o prazo para a sanção governamental termina na próxima sexta (21). De acordo com o governo, Zema tem até 15 dias úteis para a sanção. Pelo que foi aprovado, famílias em vulnerabilidade social terão direito a receber o chamado ‘Força Família” no valor de R$ 600,00.

Governador deve aprovar somente na sexta (21), foto Gil Leonardi/ImprensaMG


Durante a aprovação, feita em tempo célere na Assembleia Legislativa, Romeu Zema (Novo) anunciou, como se fosse de sua iniciativa, a proposta que já havia sido votada em 1º turno. No dia seguinte, 31 de abril, a sessão de 2º turno virou palco de críticas a Zema pelo plágio e ainda provocou aumento de R$ 100,00 no auxílio, que passou de R$ 500,00 para R$ 600,00. No mesmo dia, o governador se desculpou pelo erro.


#SancionaZema


Agora, por conta da demora, deputados lançaram a hashtag #sancionaZema sob o argumento da urgência daqueles que têm fome. Considera-se, para efeito do benefício, que a vulnerabilidade é definida pela situação de extrema pobreza (renda per capita de R$ 89).


Mais de 50% passam fome no país


De acordo com estudo do grupo Alimento para Justiça, 59,4% das famílias brasileiras se encontram em situação de insegurança alimentar neste período de pandemia. A pesquisa é da Universidade Livre de Berlim e Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).


A aprovação e operacionalização do auxílio mineiro são considerados urgentes pelos deputados para enfrentar situações de fome e desnutrição que afligem o cotidiano de mais da metade das famílias brasileiras.


Retomada da economia


O Força Família foi aprovado dentro do Recomeça Minas (Projeto de Lei 2.442/21) em 30 de abril, que reúne ações de enfrentamento aos efeitos econômicos e sociais da pandemia. O Recomeça Minas prevê ainda incentivos e ajustes fiscais para que empresas e pequenos produtores possam renegociar suas dívidas com o Estado, através de créditos e taxas menores.


Parte da arrecadação obtida será investida nos setores mais atingidos pela pandemia. A iniciativa partiu do presidente da Assembleia, Agostinho Patrus (PV), e teve participação e apoio de todos outros 76 deputados. Além disso, o projeto foi aperfeiçoado em 16 audiências públicas, realizadas pela Assembleia, para ouvir lideranças políticas e empresariais do interior mineiro.


LEIA MAIS: Zema plagia projeto da Assembleia e é chamado de “cara de pau” por deputado



para 28 de maio 21 vacinação.png
MAIS LIDOS
RECENTES