top of page

Polarização entre Zema e Kalil barra chance de 3ª via nas eleições de 2022

Sem candidatos próprios ou competitivos, rivais e partidos políticos batem cabeça sobre o rumo a ser tomado diante de uma polarização entre Alexandre Kalil (PSD) e Romeu Zema (Novo). Os dois devem se enfrentar na disputa pelo Governo de Minas no ano que vem. Diante desse quadro em formação, o tempo passa e a possibilidade de uma terceira via eleitoral vai ficando mais difícil para os maiores partidos, como o PT, PSDB, MDB e DEM. Em alguns casos, além da falta de nomes naturais, há estratégias políticas em curso.

Zema e Kalil são pré-candidatos a duelar no ano que vem, fotos ImprensaMG e Ascom/PBH


O PT, por exemplo, está mais concentrado na viabilidade eleitoral do ex-presidente Lula na disputa presidencial. Por isso, quer buscar palanques fortes nos estados onde não tem candidato próprio. Os petistas até admitem conversar e se aproximar de Kalil, mas o estilo do prefeito não é de muita conversa e costura.


Prefeito ainda não procurou o PT


Até hoje, Kalil não se mexeu ou procurou conversar com o PT, receoso de eventuais vinculações. Ainda assim, recebeu visita do presidenciável petista Fernando Haddad, para conversa amistosa e sem compromissos na prefeitura. Em resumo, representou um gesto do PT pelo diálogo.


Em Minas, o partido não tem um nome competitivo. O ex-governador Fernando Pimentel admitiu voltar à disputa eleitoral do ano que vem, mas disse, em entrevista à TV Band, que irá seguir as orientações de Lula.


O coordenador político de Kalil, o secretário de governo, Adalclever Lopes, vive dificuldades em seu próprio partido, o MDB. Sua intenção é atrair a legenda para aliança com o prefeito nas eleições do ano que vem. Para isso, atuou para retirar do comando partidário o atual presidente, deputado federal Newton Cardoso Jr., que, ao contrário, teve o mandato prorrogado por mais um ano. Newton tem simpatia pela reeleição do governador Zema, mas usa discurso de candidatura própria enquanto o partido permanece dividido.


DEM espera sinal de Pacheco


O DEM aguarda definição de seu principal nome, que é Rodrigo Pacheco, atual presidente do Senado, cujo mandato é de dois anos, até janeiro de 2023. Recém-eleito, não demonstra tempo nem disposição para disputar o governo estadual. O PSDB está mais próximo de Zema do que de Kalil. O líder do governador na Assembleia é o tucano Gustavo Valadares e a nova secretária de Planejamento do Estado é Luiza Barreto, tucana da nova geração.


Outros dois nomes buscam se cacifar para a disputa, o presidente da Assembleia Legislativa, Agostinho Patrus (PV) e o presidente da Associação Mineira dos Municípios (AMM), Julvan Lacerda. O primeiro apoiou a eleição de Zema em 2018, e hoje pensa em lançar-se a governador ou integrar a chapa majoritária, como vice ou candidato ao Senado.


Filiado ao MDB, Julvan Lacerda se articula para a disputa ou, no plano B, integrar uma das duas eventuais chapas da polarização. Em ambos os casos, vai precisar da união partidária para sustentar suas pretensões.




Comentarios


para junho 24.png
MAIS LIDOS
IPTU NOVA LIMA JUNHO 24.png
NOVO BANNER FEV 23A.jpg
banner affemg e sindifisco contra rrf.png
RECENTES
ARQUIVO
bottom of page