top of page

Zema repudia mais os atos deste ano do que as ações golpistas

Depois de um jogo de verdade e inverdades, o governador Zema manifestou repulsa maior ao que chamou de evento político de 8 de janeiro deste ano do que aqueles do mesmo dia de 2023. Foi intensamente desproporcional. Por suas razões, Zema deixou no ar, primeiro, que não iria; depois, divulgou no dia do evento, que, por outros motivos não revelados, iria participar dos atos da última segunda (8).


Lula discursa em ato boicotado por Zema e destinado a repudiar ações golpistas de 8 de janeiro de 2023, foto Lula Marques/ABr


Ao final do dia, apresentou a versão final que reafirmou sua natureza ao dizer que não iria porque o evento teria sido politizado. Ressalvou que não apoia os golpistas e que os excessos devem ser punidos, mas sua crítica mais contundente foi dirigida àqueles que foram lá condenar, politicamente, as ações golpistas.


No cálculo de seu marqueteiro, a brincadeira deve ter agradado aos seguidores igualmente comprometidos com a narrativa distorcida, ainda que fique mal perante o mundo civilizado e a história. Melhor faria, talvez, se apenas anunciasse que não iria. Todo mundo entenderia suas razões políticas, até mesmo seus seguidores.


Para não perder o gasto com a viagem, o governador louvou a própria gestão, razão pela qual estaria em Brasília para cuidar da dívida de Minas, que não resolveu em cinco anos de governo. Reuniu-se com o secretário do Tesouro Nacional e não contou o principal: o que foi tratado nessa reunião e qual o resultado. Nada disse, porque deve ter ouvido do secretário que a solução possível aguarda entendimento superior entre o chefe dele (Lula) e o próprio governador de Minas.


Leia também: Zema reforça intenção de federalizar Codemig; valor corresponde a um quarto da dívida

Se Zema vestisse o uniforme de estadista, pediria audiência com o presidente da República para tratar do assunto. Mas, se o fizesse, talvez, seus seguidores o acusassem de estar fazendo política ou participando de evento político. Melhor, não, deixa isso para o presidente do Congresso Nacional, senador por Minas Rodrigo Pacheco, que saberá como gerenciar o problema da dívida de Minas.

(*) Publicado no jornal Estado de Minas


Comentários


para maio 24.png
MAIS LIDOS
BannerBlogdoOrion_AsfaltoNovo300x250.png
NOVO BANNER FEV 23A.jpg
banner affemg e sindifisco contra rrf.png
RECENTES
ARQUIVO
bottom of page