Polarização nos EUA será freio ao autoritarismo de Trump e de Bolsonaro

Atualizado: Nov 6

Independentemente do resultado que será divulgado, ainda hoje, sobre as eleições norte-americanas, a polarização registrada servirá como freio ao autoritarismo nos EUA e no Brasil. Seja vencedor o democrata Joe Biden ou o republicano Donald Trump, a decisão será apertada. Tudo somado, as eleições exibiram um país rachado, dividido, o que dificultará a governabilidade da futura gestão.

Trump e Bolsonaro: aproximação que não trouxe resultados, foto Alan Santos/PR


Será um governo mais fraco. Se a vitória for de Biden, Trump irá judicializar os resultados da eleição, atrapalhando muito sua gestão e dificultando a aprovação de projetos do rival. Do ponto de vista da política, um governo de Biden terá ação importante em desfavor do autoritarismo local e no mundo, incluindo o Brasil. A derrota do republicano influenciaria também a revisão nas políticas de meio-ambiente internacional e de direitos humanos.


Ainda assim, sobreviverão os seguidores de Trump, como sendo força expressiva na direita norte-americana. Se, ao contrário, Trump for reeleito, ele terá dificuldades de manter a agenda autoritária e de enfrentamento. Precisará recorrer mais ao diálogo para evitar derrotas no mesmo Congresso, onde a maioria democrata dominará a Câmara. Em ambos os casos, em função da polarização, a democracia terá mais oportunidade de sobreviver a retrocessos.


Brasil ganhou nada até agora


Especificamente para o Brasil, apenas Bolsonaro ganharia politicamente com a vitória de Trump, mas o Brasil, até agora, nada ganhou com essa aproximação entre eles. Ao contrário. Não houve nenhuma vantagem comercial. O que se viu foi uma submissão do governo brasileiro que o anula na hora de defender interesses brasileiros, como no aço, alumínio, soja, entre outros.


Sob Trump e Bolsonaro, o Brasil continua isolado, e os EUA estão perdendo, cada vez mais, a liderança no mundo com esse estilo bronco e belicoso do atual presidente. A Bolsonaro, interessa ainda a vitória de Trump porque os EUA terão papel fundamental em determinar o avanço de um acordo de livre comércio dos países. Poderiam apoiar também a entrada do Brasil na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e o papel geopolítico dos brasileiros na América Latina.


Com Biden: troca de ministros


Já a vitória de Biden terá efeito imediato na política externa brasileira. Especialmente aquela referente ao meio ambiente. Isso poderá deixar o Brasil ainda mais isolado com o descompromisso até agora assumido com as prioridades ambientais. Entre eles, o Acordo de Paris, fogo na Amazônia e no pantanal.


E mais, provocaria a troca de ministros de duas pastas, a do Meio Ambiente (Ricardo Salles) e das Relações Exteriores (Ernesto Araújo). Esses dois ministros são remanescentes do governo Bolsonaro da política ideológica defendida por Trump. Com símbolos do atraso, não terão espaço com Biden.

video sonegação2.png
MAIS LIDOS
RECENTES
ARQUIVO
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2017 por Infograffo