Pesquisa: pandemia impõe educação financeira a belo-horizontino

A crise sanitária impactou diretamente a economia e o mercado de trabalho, impondo espécie de educação financeira aos belo-horizontinos. Eles estão pagando suas contas com antecedência, evitando a inadimplência e aproveitando a renda disponível da melhor forma possível.

Consumidores mudam comportamento diante da pandemia, foto Valter Campanato/ABR


Para entender como a população da capital vem se comportando referente ao pagamento de contas, reserva financeira e consumo, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL/BH) realizou pesquisa. Os dados mostram como os belo-horizontinos estão enfrentando a pandemia, do ponto de vista econômico. Foram entrevistados 250 consumidores entre os dias 7 e 16 de junho deste ano.


Veja alguns destaques


· 68,8% dos moradores da capital mineira guardam parte do dinheiro que recebem como salário;


· dentre os que poupam, a grande maioria (60,5%) opta pela tradicional poupança bancária;


· para 64,7% dos entrevistados, o principal motivo para guardar dinheiro são situações de emergência;


· para 44%, a necessidade é o motivador para realizar compras;


· em uma abertura por gênero, as mulheres (83%) tendem a efetuar mais compras a prazo que os homens (72,2%);


· apesar do pouco acesso à educação financeira, sete em cada dez consumidores da capital (77,2%) afirmam avaliar a própria situação econômica antes de realizar compras.


Quem paga a conta


O levantamento mostrou que em um núcleo familiar, 32% dos entrevistados afirmam ser os responsáveis por todas as contas da casa. Em relação a apenas a alguns compromissos financeiros, este número sobe para 52,4%. Os que assumem apenas as contas pessoais equivalem a 14%.


Quando questionados sobre o planejamento para quitar as contas, 43,9% informam que pagam com antecedência, 38,6% na data de vencimento e 9,8% priorizam as contas básicas primeiro e depois pagam o restante. “Os consumidores estão procurando quitar suas contas antes da data do vencimento. Dessa forma evitam a inadimplência e aproveitam a renda disponível”, avaliou o presidente da CDL/BH, Marcelo de Souza e Silva.


Reserva financeira para emergências


Preocupados com situação de emergência, seis em cada dez consumidores fazem reserva financeira. A pesquisa mostrou que 68,8% dos moradores da capital mineira guardam parte do dinheiro que recebem como salário. Em contrapartida, 31,2% não reservam nada. Dentre os que poupam, a grande maioria (60,5%) opta pela tradicional poupança bancária; 18% preferem a conta corrente; 13,4% o CDB e 10,5% deixam o dinheiro em casa. As outras opções citadas foram: ações (5,8% dos entrevistados); títulos de capitalização (3,5%); fundo de ações (2,9%) e previdência privada (2,9%).


Para 64,7% dos entrevistados, o principal motivo para guardar dinheiro são situações de emergência. Em seguida, com 14,5%, aparecem motivadores como financiamento de bens duráveis como casa própria e/ou automóvel. Viagens e lazer ocupam a terceira posição, com 7,6%. Em seguida aparecem: aplicação em poupança ou outros investimentos (6,4%); aposentadoria (2,3%) e escola ou faculdade (1,7%).


Necessidade guiam as compras


Necessidade é o maior motivador para as compras que são pagas à vista no cartão de débito. Desde o último ano, os consumidores têm se programado melhor. Para 44%, a necessidade é o motivador para realizar compras. 28,4% afirmam que se planejam com antecedência. Já promoção ou liquidação são o incentivo para 16,4%; se gostaram do produto aparece como resposta de 10,8% dos consumidores, seguido de 0,4% que compram se têm crédito aprovado.


Para quitar essas compras, 69,6% dos entrevistados escolhem o pagamento à vista no cartão de débito. Em seguida, aparecem: pagamento à vista no cartão de crédito (38,8%); dinheiro (33,2%); parcelado no cartão de crédito (31,6%); PIX (8,0%) e à vista no boleto bancário (2,4%).


Nos últimos doze meses, 75,2% dos consumidores afirmam ter realizado compras a prazo. Neste recorte, o cartão de crédito foi a principal forma de pagamento (94,9%).


Em uma abertura por gênero, as mulheres (83%) tendem a efetuar mais compras a prazo que os homens (72,2%). Um dos principais motivos é o fato de o sexo masculino possuir melhores condições de trabalho, menor taxa de desemprego e maior rendimento real.


Mais atentos aos gastos


Apesar do pouco acesso à educação financeira, sete em cada dez consumidores da capital (77,2%) afirmam avaliar a própria situação econômica antes de realizar compras. No recorte por gênero, homens e mulheres (oito em cada dez) estão empatados quanto ao acompanhamento de gastos e análise da situação financeira antes de comprar. Mas, a fatia dos que nunca analisam é relativamente significante: 9,6%.


Quando questionados sobre como fazem esse controle, a maioria (42%) afirma usar a boa e velha caderneta. Em seguida, com 34,3% aparecem planilhas eletrônicas, seguidas de extrato bancário (21,5%); aplicativos financeiros (12,7%); fatura do cartão de crédito (11%); controle “de cabeça” (6,6%). E 0,6% dos entrevistados afirmaram que não fazem controle.


A pesquisa mostrou que seis a cada dez belo-horizontinos (60,8%) admitem ter passado por algum tipo de situação em que o orçamento não foi suficiente para quitar as contas e, com isso, ficaram com o ‘nome sujo’.


Sem acesso à educação financeira


Seis a cada dez belo-horizontinos (64,8%) não tiveram acesso à educação financeira ao longo da vida, conforme revela a pesquisa. Em uma avaliação por gênero, o levantamento revela que os homens tiveram mais acesso que as mulheres, representando 40,9% e 30,4%, respectivamente.


Consumidor tem em média dois cartões de crédito


A maioria dos consumidores de Belo Horizonte possui cartão de crédito: 85,2%. Mas, como está a relação com essa ferramenta? De acordo com a pesquisa, os belo-horizontinos possuem, em média, dois cartões. A maioria dos entrevistados, 84,1%, afirma não ter débito com as operadoras. Dentre os que estão em dívida (15,9%), assumem que devem uma parcela, 12,9%; duas, 16,1% ou três (6,5%).


Respeitando o limite do cartão de crédito


O levantamento mostrou que os usuários de cartão de crédito em Belo Horizonte costumam ter consciência ao utilizá-lo: 89,6% disseram que raramente ou nunca ultrapassam o limite de crédito. As mulheres tendem a ser mais controladas neste aspecto: 75,25% delas afirmam que nunca ultrapassam o limite. Já, entre os homens, o índice é de 67,7%.


Quando questionados sobre o controle de gastos, 40,4% afirmam que não deixam o valor da fatura ficar elevado; 36,6% dizem parar de comprar por um tempo quando estão com alto volume na fatura; 9,9% deixam o cartão em casa quando saem e 3,3% economizam no mês seguinte à fatura alta.


Metade dos cartões de crédito utilizados pelos belo-horizontinos não possui anuidade (50,2%). Dentre os que possuem a taxa, 39,4% afirmam saber o valor cobrado e 10,3% não sabem. Em relação ao uso do cheque especial, 44,1% afirmam não possuir; 43,3% têm, mas não utilizam, e somente 1,2% sempre fazem uso.


Homens investem mais em seguros


Por fim, o levantamento revelou que os homens são os que mais investem em financiamento de automóvel (15,7%), previdência privada (21,7%), seguro de automóvel (45,2%) e seguro residencial (20,9%). O segmento em que as mulheres aparecem com maior destaque é o crédito consignado, 14,1%.


Adesão ao banco digital


56,8% dos entrevistados afirmaram que utilizam algum banco digital. Dentre os principais motivos para adesão a essa nova modalidade de serviço bancário, destaca-se a facilidade (27,6%), a agilidade (27,2%), a ausência de tarifas de manutenção (25,2%) e a falta de burocracia (8,4%).


As mulheres são as maiores usuárias dos bancos digitais, representando 51,1% dos entrevistados. A pesquisa revelou que os consumidores que afirmam possuir educação financeira são os que mais utilizam as contas digitais (54,3%). Acredita-se que este fato está ligado ao maior conhecimento sobre finanças e taxas praticadas pelas instituições financeiras convencionais.


LEIA MAIS: Dia sem imposto contesta tributos e destinação com desconto de até 70%




pecas_ead_blog_do_orion ouyt 21.png
MAIS LIDOS
RECENTES