sodexo_blogs_julho_2022_Orion300.png

Evento aponta lições de sobrevivência para empresários no mundo dos negócios

Será que a sua empresa está digitalizada ou transformada digitalmente? A resposta para essa pergunta pode ser complexa para muitos empreendedores. Por isso, o Summit Experience Comércio e Serviços promove, no dia 29 de novembro, a palestra “Insights: digitalização X transformação digital!”, com Grazi Mendes, gestora de pessoas da ThoughtWorks, Lisiane Lemos, co-fundadora do Conselheira 101 e eleita uma das pessoas mais influentes pela Forbes Under 30, e Marcus Piangers, empreendedor e autor do best seller “O papai é pop”.

Juntos eles vão falar sobre a diferença desses tópicos e também vão abordar quais hábitos e comportamentos os empreendedores precisam ter atualmente. O evento, on-line e totalmente gratuito, é uma idealização da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) e do Sebrae Minas.


Macrotendências de negócios para 2022


Ainda no dia 29, o investidor-anjo, mestre em gestão e autor dos livros ’60 dias em Harvard’ e ‘Rock In Rio – A arte de sonhar e fazer acontecer’, Allan Costa, e o autor do livro ”Conveniência é o nome do negócio” e co-fundador da plataforma AAA, Arthur Igreja, vão falar sobre as macrotendências de negócios para 2022 no painel Conecta Mente, com Fernando Cardoso e Paulo Leite.


“No último ano, a forma como nos relacionamos e também como gerenciamos os nossos negócios passou por grandes transformações. Algumas vieram para ficar e, além disso, outros comportamentos e tendências ainda estão por vir. O empresário precisa estar atento a essas novidades e adaptá-las ao seu contexto para conseguir sobreviver e escalonar”, destacou o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL/BH), Marcelo de Souza e Silva.

Para o superintendente do Sebrae Minas, Afonso Maria Rocha, em 2022, o cenário ainda será de cautela, mas é importante que os pequenos negócios do varejo estarem atentos aos novos hábitos de consumo. “A pandemia antecipou várias tendências que já estavam previstas no horizonte da economia e forçou as empresas a se adaptarem às intensas mudanças. É por isso, que nunca foi tão importante repensar modelos de negócio, digitalizar as vendas e otimizar a produtividade”, justificou Rocha.


Empreendedorismo acima de 60 anos


Termina nesta quinta (25), o evento Projeto 60+, promovido pela CDL/BH e o Sebrae Minas. On-line e gratuito, o projeto está sendo guiado por palestras sobre empreendedorismo e o poder da longevidade.

O envelhecimento da população foi identificado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como uma das quatro megatendências para o século e as projeções indicam que o Brasil será, em 2050, o sexto país com maior número de pessoas acima de 60 anos no mundo.


Mas, engana-se quem pensa que esse cenário futuro será negativo. Pelo contrário. Uma das maiores conquistas da humanidade, a chamada Revolução da Longevidade, traz esperança de tempos melhores e também apresenta transformações e desafios de diferentes tipos para a sociedade. Preparar as escolas, os negócios, as organizações e as pessoas para o aumento da expectativa de vida da população é uma tarefa de todos que buscam a construção de uma nação economicamente próspera e socialmente justa e inclusiva.


“Desde o fim da década de 1960, o combate ao preconceito com a idade vem sendo trabalhado. Para isso, foi criado o termo ageísmo, que se refere exatamente às ações discriminatórias em relação às pessoas com idade avançada. Porém, ainda existe um grande universo de pessoas maduras com poder de compra e ativas socialmente que não estão sendo atendidas pelo mercado. Infelizmente, as pessoas idosas ainda são vistas como frágeis e incapacitadas. Esse abismo entre como os idosos são vistos e como eles realmente são prejudica as relações comerciais e profissionais”, apontou Marcelo de Souza e Silva.


Amanhã(25), último dia, às 19h, Alexandre Correa e Roberta Zampeti vão falar sobre as diversas formas de recolocação no mercado de trabalho para o público 60+, com maiores oportunidades de empregabilidade e consequentemente fomento à geração de renda, estímulo à economia prateada e aquecimento do mercado de consumo.

(*) com informações da Ascom CDL/BH


MAIS LIDOS
RECENTES
ARQUIVO