top of page

Eleitorado de BH é implacável e rejeita partidos que já governaram a capital


São várias razões e precisam ser estudadas. O fato é que alguns partidos nunca mais voltaram ao comando da capital mineira depois que o conquistaram pela 1ª vez. Os exemplos mais flagrantes são o PMDB (hoje, MDB) e o PSDB; o PT pode ser o próximo dessa fila dos rejeitados.


O PMDB chegou à Prefeitura de BH em 1986, no auge da redemocratização do país, da qual o partido foi protagonista histórico. O PSDB conquistou o cargo em 1988, quando o ex-peemedebista Pimenta da Veiga se juntou a outros dissidentes paulistas e criaram o partido. Os tucanos eram formados por peemedebistas insatisfeitos com os rumos do ex-partido.

Prédio da Prefeitura de Belo Horizonte, foto Aloísio Morais/site Vermelho


Há cerca de 30 anos, PMDB e PSDB nunca mais voltaram e eleger prefeito em Belo Horizonte, embora tenham tentado. Até chegaram perto, mas amargaram o segundo lugar.


MDB e PSDB têm só 1 vereador cada


O MDB parece até ter desistido de investir na capital dos mineiros, onde, há anos, não tem sequer um diretório partidário organizado, e sempre foi provisório. Na Câmara de BH, onde existem18 partidos, tem apenas um vereador (Reinaldo Gomes). O PSDB também tem um (Henrique Braga).


Não dá pra dizer que o belo-horizontino reage, nesse caso, a uma possível má gestão deles, até porque a avaliação à época, nas pesquisas, foi positiva. Depois de sua passagem pela prefeitura, o PMDB e o PSDB até elegeram governadores de Minas. Mas, talvez, o conjunto da obra, o cansaço, ou fadiga de material, como dizem no meio político, influenciem na rejeição.


Na atual campanha eleitoral, por meio da novata Luiza Barreto, os tucanos registram o pior desempenho dos últimos 32 anos de existência, de menos de 3%. Com certeza, não corresponde ao seu histórico de disputas na capital. O MDB não lançou candidato a prefeito e está coligado à chapa de reeleição do atual prefeito Alexandre Kalil (PSD).


PT é a bola da vez da rejeição


A bola da vez, agora, parece ser o PT. O partido elegeu dois prefeitos e foi aliado de outras duas gestões (PSB de Célio de Castro-1997/2000, e PSB de Márcio Lacerda-2008/2012). Hoje, tem apenas dois vereadores (Pedro Patrus e Arnaldo Godoy) e um candidato a prefeito, Nilmário Miranda, ex-ministro, que não passa dos 5%.


Na última pesquisa Datafolha, feita nos dias 5 e 6 de outubro, depois de ouvir 800 eleitores, o petista teve 2% e a tucana, 1%. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. O número da pesquisa na Justiça Eleitoral: MG-09256/2020, e foi contratada pela TV Globo e Folha de S. Paulo.


Ambos os partidos, o PT e o PSDB já protagonizaram e polarizaram disputas nacionais, estaduais e municipais por mais de 20 anos. Agora, lutam para sobreviver. Não devem desaparecer do cenário político porque ainda são fortes no plano nacional, mas devem perder muitas prefeituras no país e em Minas.


PSB de Lacerda sumiu do mapa


Outro partido, o PSB, que conquistou a prefeitura quatro vezes (duas vezes com Célio de Castro, em 96 e 2000, em seguida, mudou-se para o PT, e outras duas com Márcio Lacerda, 2008 e 2012), não está na disputa e tem só um vereador na Câmara (Edmar Branco).


Ainda sobre o eleitorado de BH, é preciso reconhecer que é um eleitorado diferenciado, mais bem informado e exigente. Não há como desconhecer ainda que o eleitor de BH sofre igualmente, e diretamente, os efeitos de gestões do governo estadual, que foram comandadas por alguns desses partidos. O comportamento também não deixa de estar em acordo com o atual contexto político do país no qual o cidadão se ressente do distanciamento dos políticos com as demandas que vêm das ruas.


Voto contra a pandemia


A Justiça eleitoral mineira já enviou para as 304 zonas eleitorais dos 853 municípios mineiros o material de controle sanitário contra a pandemia. A intenção é garantir a segurança do voto de cada um dos quase 16 milhões de eleitores mineiros, mais de 177 mil mesários e cerca de 51 mil colaboradores. Estão sendo enviados itens como como álcool em gel, álcool líquido, máscaras descartáveis, protetores faciais (face shield) e adesivos para marcação de distanciamento de 1m entre as pessoas nos locais de votação.





Comments


para junho 24.png
MAIS LIDOS
IPTU NOVA LIMA JUNHO 24.png
NOVO BANNER FEV 23A.jpg
banner affemg e sindifisco contra rrf.png
RECENTES
ARQUIVO
bottom of page