top of page

Com resgate da democracia, Lula e Zema exaltam alianças políticas

O primeiro dia do ano foi de muita festa e de incontáveis vivas, especialmente à democracia em Minas e, principalmente, em Brasília. Na capital mineira, o governador Romeu Zema (Novo), tomou posse para seu segundo mandato. Na capital federal, Lula (PT) foi empossado como o primeiro presidente a governar o país três vezes, um feito inédito na República.

Lula subiu a rampa com representantes da população, foto Tânia Rego, Agência Brasil


Apesar dos receios e das ameaças bolsonaristas de que ele não subiria a rampa presidencial, como falavam contra Vargas, Lula o fez com pompa e circunstância. E ainda superou, com criatividade e visão social, a ausência do antecessor na transmissão do cargo e da faixa presidencial.


Sem grandes riscos à posse, Lula decidiu realizar o tradicional desfile em carro aberto e sequer usou colete à prova de balas, antes recomendado pela Polícia Federal.


Governabilidade necessária


Como Zema, Lula exaltou a frente ampla que formou na campanha eleitoral e que será capaz de lhe dar a maioria no Congresso Nacional. Uma base necessária para a governabilidade e viabilização de seu projeto de recuperação do país, após o desastre bolsonarista.


Nessa composição, reforçada na montagem dos ministérios, o novo presidente ampliou a base governista de 24,4% na Câmara dos Deputados para 55,9%. No Senado, o ganho foi ainda mais expressivo, de 17,3% para 58%.


Ficaram de fora, claro, a oposição, que está no campo da direita e da extrema direita, e que deverá se preparar para criar as dificuldades e tentar voltar ao poder daqui a quatro anos.


Bolsonaristas boicotam posse


E já começaram no domingo mesmo, por exemplo, os governadores declaradamente bolsonaristas. O de São Paulo, Tarcísio de Freitas, o goiano Ronaldo Caiado e o amazonense Wilson Lima, decidiram boicotar a posse, mas não convenceram o do Rio, Cláudio Castro, que compareceu. O mineiro Romeu Zema também não foi, mas para evitar a classificação bolsonarista, argumentou aspectos logísticos entre sua posse e a de Lula. É claro, que faltou vontade política de ir, pois seria muito fácil a Zema, que sucedeu a si mesmo, contornar problemas de agenda.


Não o fez e terá, como os bolsonaristas, mais uma dificuldade na relação administrativa e de aproximação necessária com o novo governo federal. Como Lula já disse que não se candidatará novamente, a sucessão dele, pode-se dizer, já começou. A direita, o centro-direita e os bolsonaristas apostam nas dificuldades econômicas do novo presidente para se cacifarem no futuro. Por mais que se antecipe, o assunto é para o futuro.

Zema e Mateus Simões tomam posse


Zema amplia a base


Em seu discurso de posse, Zema também comemorou a ampliação da base política, pontuando que, quando foi eleito, pela primeira vez, tinha apoio apenas de seu partido, o Novo. Agora sua base chega a 10 partidos, o que lhe dará maioria folgada para aprovar os projetos que não conseguiu no primeiro mandato. Ainda está aprendendo a lidar com a política, que considerava como coisa velha e ultrapassada.


Mesmo assim, ele terminou o primeiro mandato vencendo a queda de braço com os deputados estaduais. Pois, sem o aval legislativo, fez a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), seu projeto mais polêmico, por meio de decisão judicial. E mais, realizou também o leilão do Metrô de BH na última semana do ano passado.


No campo político, travou a Assembleia Legislativa para evitar pautas-bomba. Depois, fez acordo para destravar, com a retirada do regime de urgência ao RRF, e quando identificou uma pauta bomba na votação do orçamento, ameaçou vetar tudo. Deu de cara ali com uma PEC que reajustava de 1% para 2% o percentual das emendas obrigatórias dos deputados. Em vez do confronto, barrou a votação e mostrou força política. Nesse cenário, poderá eleger um aliado como futuro presidente da Assembleia ou fazer alguma composição que não lhe traga riscos.


Votos do Blog


Ao final, a democracia venceu e, se a gente quiser, poderá ser para sempre, como desejou, no domingo, o presidente Lula. A todos nossos leitores e parceiros, um feliz novo ano, com muita saúde, resgatando, além da democracia, a pacificação social e o humanismo necessários ao crescimento econômico para todos.



Comments


para junho 24.png
MAIS LIDOS
IPTU NOVA LIMA JUNHO 24.png
NOVO BANNER FEV 23A.jpg
banner affemg e sindifisco contra rrf.png
RECENTES
ARQUIVO
bottom of page