consultoria_lgpd_blogs_agosto_2022_Blog_Orion.png

Bolsonaro e 3ª via brigam por vaga para enfrentar Lula no 2º turno

Após meses polarizado entre o ex-presidente Lula (PT) e o atual presidente Jair Bolsonaro (PL), agora o quadro ficou embolado numa disputa para ver quem irá brigar com o petista no 2º turno. A avaliação corrente, de acordo com todas as pesquisas, é de que o petista estará no segundo turno, mas teria ficado indefinida a outra vaga, na sucessão presidencial. Hoje, a 2ª via, que é representada por Bolsonaro, está em confronto com nomes da terceira via, desde que surgiu a opção Sérgio Moro (Podemos), ex-ministro dele e ex-juiz federal.

O ex-ministro de Bolsonaro, Sérgio Moro, foto Fábio Pozzebom, Agência Brasil


Por isso, Bolsonaro e seus filhos viraram a metralhadora na direção de Moro. Bolsonaro o chamou, na quinta (2), de ‘mentiroso e traidor’. E mais, ‘palhaço e sem caráter’. De acordo com ele, seu antigo aliado é uma pessoa “sem caráter” e o vazamento da troca de mensagens entre Moro e os procuradores da Lava Jato expôs uma “vergonhosa troca de informações”.

Bolsonaro redireciona sua artilharia contra seu ex-ministro Sérgio Moro, foto Fábio Pozzebom, Agência Brasil


Em chumbo trocado, o ex-juiz rebateu, afirmando que que Bolsonaro até comemorou a absolvição de Lula, preso por ele por mais de 500 dias. Moro tem feito críticas a Bolsonaro em seus eventos. Em tom de comício em Curitiba, disse que Bolsonaro desmantelou o combate à corrupção no país. “O país vai mal porque a liderança é ruim”, resumiu. Ex-integrante do gabinete de Bolsonaro, Moro deixou o Ministério da Justiça e Segurança Pública acusando o presidente de interferência na Polícia Federal.

Lula é tratado pelos rivais como quem estará no segundo turno, foto Ricardo Stuckert


Toma lá dá cá


O ex-juiz negou ter direcionado investigações à frente da Lava Jato e lamentou a situação atual da PF. “A Polícia Federal de hoje não é a mesma polícia da época da Lava Jato. É bem diferente”, apontou, dizendo ainda que é possível governar sem “toma lá dá cá”.


O ex-ministro Ciro Gomes (PDT), da terceira via também, ataca Moro para que ele não cresça muito e abra vantagem. Segundo ele, o ex-juiz federal não teria noção “do drama brasileiro”. “Qual é a compreensão que o Sergio Moro tem do drama brasileiro, do desemprego em massa, da informalidade, da queda da renda, da desvalorização da moeda, da inflação e da destruição da indústria? Qual a proposta, vivência e experiência que ele tem para oferecer aos brasileiros?”, cobrou Ciro.


Para não perder a viagem, Ciro ainda ataca Lula ao dizer que ele tem orientado o partido a apoiar projetos do governo federal no Congresso Nacional. De acordo com ele, faz isso para manter a candidatura de Jair Bolsonaro viva, já que ele seria adversário fácil em eventual segundo turno em 2022. A crítica de Ciro foi motivada pelo apoio da bancada do PT no Senado à aprovação da PEC dos Precatórios na quinta-feira (2). A medida viabiliza o auxílio Brasil de Bolsonaro. “Lula determinou que o PT desse força para a candidatura moribunda do Bolsonaro se manter acesa”, afirmou o pedetista.


Dória flerta com Moro


O governador de São Paulo, João Dória, após vencer as prévias do PSDB para ser seu futuro candidato presidencial, atacou Bolsonaro, mas flertou com Moro. Ele disse julgar “possível” uma aliança com Sergio Moro. “Eu tenho boas relações com Sergio Moro e tenho respeito por ele. Não haveria nenhuma razão para não manter relações com alguém que ajudou o Brasil, com alguém que contribuiu com a Lava Jato, assim como Simone Tebet (MDB), uma brilhante senadora”, disse, e ainda citou o senador mineiro Rodrigo Pacheco (PSD), presidente do Senado, que tem “boa postura e equilíbrio”.


Ainda na janela, Pacheco observa tudo para avaliar se entra ou não nessa briga para ser a terceira via competitiva. A partir de mês que vem, para não dizer no ano que vem, ele deve entrar em campo, como pré-candidato pra valer ou não.


LEIA MAIS: Moro vai se lançar a presidente, mas quer mesmo o Senado





MAIS LIDOS
diamantina2.png
banner affemg e sindifisco contra rrf.png
RECENTES