Manobra de Zema e do Novo contra reajuste de policiais vira briga com Judiciário e Legislativo

A manobra do partido Novo de acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) contra reajuste de policiais mineiros teve duplo objetivo. Além de livrar Romeu Zema, único governador do partido, de pagar o aumento concedido de 41,7%, o Novo quer atingir em cheio o Judiciário e o Legislativo. Ao pedir a inclusão dos gastos com inativos nas despesas de pessoal, os aliados de Zema inviabilizam, sob a ótica fiscal, os Tribunais de Justiça e as Assembleias Legislativas e os Ministérios Públicos.

Os governadores João Dória (SP) e Romeu Zema afinam o discurso, foto Pedro Gontijo/Imprensa MG

Hoje, de acordo com decisão do Tribunal de Contas do Estado, as despesas com aposentados estão excluídas do cálculo e limites da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Se forem incluídos, os gastos extrapolariam os limites em Tribunais estaduais, Assembleias Legislativas e os Ministérios Públicos.

“A ação significa verdadeiro golpe à gestão dos Tribunais de Justiça. De par com o iminente dano aos Tribunais, a ação intenta reconhecer a constitucionalidade de dispositivos, cuja validade jamais foi arguida ou sequer negada pelos Tribunais”. A advertência foi feita pelo presidente do Colégio de Presidentes de Tribunais de Justiça, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha.

Tribunais pedem urgente intervenção da AMB

Em ofício à presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Renata Gil, o desembargador solicitou apoio da entidade em defesa do Judiciário no STF. “Além de utilizar-se de medida processual inadequada, o autor (Novo) demonstra distanciamento da realidade dos serviços judiciários”, disse Rocha. Para ele, a intenção impõe restrições insuperáveis aos tribunais, sob a ótica fiscal.

“A dedução das despesas com inativos e pensionistas do cálculo da despesa total com pessoal é procedimento previsto nos próprios dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal. Em nome dos integrantes deste Colégio, encareço a urgente intervenção dessa Associação, em defesa do Poder Judiciário dos Estados”, reforçou ele.

TJMG: “Uma das mais virulentas agressões ao Judiciário”

Preocupado com a situação, o presidente do Tribunal de Justiça de Minas, desembargador Nelson Missias de Morais, fez enorme mobilização em Brasília. Com livre trânsito no STF, reuniu-se, nesta terça (3), com os ministros Alexandre de Morais e Dias Toffoli (presidente). Em seu ofício à presidente da AMB, Nelson Missias comparou a ação do Novo a uma agressão ao Judiciário. “Uma das mais virulentas agressões que se perpetram contra o Poder Judiciário Nacional, em todas as suas esferas de gestão e competência, especialmente aos tribunais de justiça estaduais”, apontou.

Segundo ele, as deduções das despesas com inativos e pensionistas é “procedimento perfeitamente legal” e em conformidade com a LRF. “Negá-lo, como quer o Novo, significa terrível golpe na boa gestão judiciária”. De acordo com ele, a metodologia de dedução das despesas com inativos e pensionistas é procedimento adotado desde 2003 em Minas. Para confirmar, anexou relatórios de gestão fiscal regularmente publicados pelo Poder Executivo.

Zema faz corpo a corpo em Brasília

Por conta do mesmo tema, mas por razões opostas, o governador Romeu Zema também cumpriu agenda em Brasília. Reuniu-se com o ministro Luiz Fux, do STF, e com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. Tenta, para esta quarta-feira, encontro com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Zema busca saída política e administrativa para não ser obrigado a pagar o reajuste que ele mesmo concedeu aos policiais mineiros, de 41,7%. Dizem, no meio político, que a forte crítica do governador paulista, João Dória (PSDB), ao reajuste de Zema a policiais seria outra maneira de reforçar a necessidade do veto.

Após negociar por seis meses com lideranças de policiais mineiros, Zema está disposto a recuar após pressão de seu partido. Enviado à Assembleia Legislativa, os deputados aprovaram o projeto e ainda estendeu o reajuste a outras categorias. Pelas contas do governo, só o reajuste dos policiais custará ao Estado R$ 9 bilhões, aumentando o déficit em R$ 5 bilhões. Ainda na Assembleia Legislativa, o vice-líder do governo, Guilherme da Cunha, disse que Zema concedeu o reajuste porque foi chantageado pelas lideranças de policiais. O projeto ainda depende da sanção do governador.

Oposição diz que indefinição gera incertezas

A oposição criticou a demora do governador em sancionar os reajustes aprovados na Assembleia em fevereiro. Para os parlamentares, a indefinição de Zema e as ações do Novo geram incertezas nas forças de segurança e nos demais servidores.

As críticas foram contestadas pelo deputado Sargento Rodrigues (PTB). Ele atribuiu o atraso na sanção à emenda apresentada pelo PT, que garantiu o reajuste a outras categorias. Classificou a iniciativa da oposição como “demagógica, inconstitucional e ilegal, apenas para jogar para a plateia”.

Ele ainda ressaltou que houve ampla negociação entre representantes da segurança pública e do governo, inclusive com intermediação de parlamentares. O deputado disse ter confiança de que a proposição será sancionada e que a extensão do reajuste será vetada.

Ainda na Assembleia, os deputados culparam o articulador político do governo, o secretario Bilac Pinto (DEM), chamando-o de “pai das maldades”. Segundo eles, o secretário teria armado o imbróglio para atingir o Judiciário e o Legislativo e enquadrá-los no ajuste fiscal. Aos deputados, Bilac reconheceu que errou ao apostar que a extensão do reajuste para outras categorias não seria aprovada. O bloco governista perdeu seis deputados no início deste ano, de 22 para 16 votos.

Líderes de policiais advertem Zema para risco de caos em Minas se reajuste for vetado

video sonegação2.png
MAIS LIDOS
RECENTES
ARQUIVO
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2017 por Infograffo