Deputados voltam a reclamar da relação política de Bilac e de Zema

07.02.2020

Pela segunda vez na semana, o governador Romeu Zema (Novo) constatou as dificuldades de sua articulação política na Assembleia Legislativa. Zema voltou nessa quinta (6) ao Legislativo para apoiar a criação de tribunal federal em Minas (TRF-6). Na segunda (3), prestigiou a reabertura dos trabalhos legislativos.

 

Sinal de insatisfação com a relação política foi dado na terça (4) pelos deputados, quando seis deles deixaram o bloco de apoio ao governador. Com isso, a base mais fiel de Zema caiu de 22 votos para 16 votos. São várias as queixas entre os aliados.

Zema posa com Julvan Lacerda (presidente da AMM) e prefeitos mineiros na Cidade Administrativa, reprodução Facebook de Zema

 

Uma delas refere-se a descumprimento de acordo feito com o secretário de Governo, Bilac Pinto (DEM). “Ele não cumpre acordos”, disse outro em anonimato. Ainda nesta quinta (6), o secretário ficou poucos minutos na Assembleia Legislativa. Apesar da importância do evento ali realizado em defesa da criação do Tribunal Federal da 6ª Região, ele deixou o local, segundo esses deputados, para evitar cobranças. Já o deputado Alencar da Silveira (PDT), isentou Bilac, mas apontou descompromissos na liberação de emendas na área da cultura, colocando a responsabilidade sobre o secretário Marcelo Matte.

 

Nove vetos para atrasar prioridades


De acordo com deputados que temem retaliação, Bilac estaria mais preocupado com projetos pessoais, como se cacifar para ser candidato a vice de Zema, em 2022. Ainda nesta semana, fruto de outra dessintonia política, o governo enviou à Assembleia nove vetos do governador a projetos dos deputados.

 

Mais grave, um desses projetos é do presidente da Casa, Agostinho Patrus (PV), que impede abusos de poder do Executivo e de membros de 2º escalão. A matéria dispõe sobre a responsabilidade de autoridade estadual pelo exercício irregular do poder de regulamentar. No total, são cinco vetos parciais e quatro totais. Os deputados podem manter ou derrubar os vetos do Executivo.

 

Como é sabido, a tramitação dos vetos poderá consumir até 30 dias de trabalho dos deputados, inviabilizando outras votações. De acordo com o próprio governador, suas prioridades são as aprovações de projetos da recuperação fiscal do Estado e da reforma previdência. Para isso, o governo conta com apenas quatro meses, já que, no segundo semestre, as eleições municipais poderão esvaziar a Assembleia.

 

Terceirização deixa aliados irritados


Uma terceira distorção política do governo reclamada pelos deputados é a habitual tentativa de terceirizar para eles a responsabilidade pela crise. Na terça (4), Zema invocou prefeitos a ajudá-lo a pressionar a Assembleia para votar seus projetos prioritários. Disse que para sair da crise, o estado e municípios dependem do voto favorável dos deputados à recuperação fiscal e à reforma da previdência.

 

A recuperação fiscal impõe medidas impopulares, como venda de estatais (Cemig, Copasa, entre outras) e congelamento de salários e promoções. E mais, corte de direitos dos servidores na reforma da previdência. De forma geral, há resistência dos parlamentares à aprovação dessas matérias, especialmente neste ano que é eleitoral. 

 

Dissidência leva bloco de Zema a perder 6 deputados na Assembleia


 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

MAIS LIDOS

Anastasia descarta assumir vaga em Ministério

15.03.2017

1/4
Please reload

RECENTES
Please reload

ARQUIVO
Please reload

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2017 por Infograffo