Dissidência leva bloco de Zema a perder 6 deputados na Assembleia

05.02.2020

Desentendimentos, desarticulação ou cochilo levaram a base governista de Romeu Zema (Novo) a perder, de uma só vez, seis deputados estaduais. O desfecho incomodou a articulação política do governo, mas o líder de Zema na Assembleia Legislativa, Luiz Humberto (PSDB), pôs água na fervura. “O que importa é o voto, a maioria vota com a gente”, amenizou ele.

Primeira reunião do ano define o jogo de forças na Assembleia, foto Guilherme Dardanhan/ALMG

 

Não há insatisfação generalizada, até porque o governo pagou as emendas parlamentares da ordem de R$ 5 milhões aos deputados, aprovadas no ano passado. A desarticulação cochilou diante de alguns desentendimentos pontuais. Tudo somado, deixaram o bloco governista, chamado ‘Sou Minas Gerais’, três partidos e seis deputados. Dois do Cidadania, João Vitor Xavier e Cleitinho Azevedo; dois do PP, Gil Pereira e José Guilherme, e um do PSB, Roberto Andrade. Fernando Pacheco deixou o PHS, está sem partido e não pode continuar no bloco. Com isso, a base de Zema caiu de 22 para 16. O agravante é que, com menos de 16 deputados, não se forma bloco regimentalmente.

 

O líder do bloco governista, Gustavo Valadares (PSDB), igualmente minimizou a mudança, que, segundo ele, teria provocado apenas três baixas já previstas. Um membro da oposição reconheceu que a alteração pouco afetaria na hora da votação. 

 

Sinais de mau tempo para o governo
 

Apesar do pragmatismo do líder governista Luiz Humberto, a notícia soa como sinais de mau tempo para o governador Romeu Zema (Novo). Especialmente porque ele enviará, nos próximos dias, ou mês, projetos complexos, polêmicos e impopulares. Entre eles, venda de estatais e corte de direitos de servidores. Precisará de voto qualificado de mais de 48 dos 77 deputados.

 

Para tentar mostrar que valoriza a política, Zema chegou a prestigiar, e a levar consigo o núcleo de seu secretariado, a reabertura dos trabalhos da Assembleia, na segunda (3). Um dia depois, essas mudanças foram comunicadas em plenário na primeira reunião ordinária do ano.

 

Bloco independente é o maior


Com a alteração, o bloco com maior número de deputados passa a ser o ‘Minas Tem História’, formado por parlamentares que se autodenominam independentes. Ele foi reforçado pelas representações partidárias Cidadania e PSB e passou a ter sete partidos e 23 deputados. Também integram o bloco, o MDB, PDT, Pode, PV e Republicanos. São liderados pelo deputado Sávio Souza Cruz (MDB), conforme comunicado em Plenário.

 

Já o PP, outro dissidente do bloco governista, migrou para o Bloco Liberdade e Progresso, que passa a ter seis partidos e 21 deputados. Cássio Soares (PSD) permanece como líder. Com isso, o bloco, também composto por parlamentares que se autodenominam independentes, passa a reunir DEM, Patri, PSD, PSL, PTB e PP.

 

O Bloco Democracia e Luta, formado por deputados de oposição ao governo, não sofreu alterações. Permanece com seis partidos (PCdoB, PL, Pros, Psol, PT e Rede) e 16 parlamentares, sob a liderança do deputado André Quintão (PT).

 

Surpreendido, bloco governista fica indefinido


Ainda não foi lida em plenário a formação de um bloco governista. Juntos, os partidos Avante, Novo, PSC, PSDB e Solidariedade, que integravam o ‘Sou Minas Gerais’, somam 16 deputados. Luiz Humberto informou ainda que a maioria absoluta dos projetos de Zema foram aprovados no ano passado.

 

De acordo com o Regimento Interno, os blocos têm existência por sessão legislativa ordinária, durante um ano. A cada nova sessão legislativa ordinária, entretanto, é necessário ler em plenário a formação do bloco, ainda que ela permaneça a mesma do ano anterior. 

 

Único apoiador no Sudeste, Zema deveria cobrar mais de Bolsonaro

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

MAIS LIDOS

Anastasia descarta assumir vaga em Ministério

15.03.2017

1/4
Please reload

RECENTES
Please reload

ARQUIVO
Please reload

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2017 por Infograffo