Sindifisco MG ataca factoides e decisões impopulares de Bolsonaro

11.12.2019

Ao tomar posse, o presidente reeleito do Sindifisco MG, Marco Couto, avaliou o governo federal como “totalmente perdido”. A crítica foi feita, especialmente, sobre o estilo Bolsonaro de forjar atitudes populares e anular decisões impopulares que ele mesmo havia tomado. “…(o governo) só vive de produzir factoides, como no recente caso das exclusões de profissões do MEI (Microempreendor individual) e a volta da CPMF”, apontou. Em ambos os casos, o governo federal voltou atrás. O Sindifisco é o Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Estadual de Minas.

 

Marco Couto ainda acusou o Ministério da Economia de promover ataques consecutivos aos direitos e salários dos trabalhadores. “Elegeram o servidor público como bode expiatório da crise e a única solução que se apresenta é o corte de despesas, de direitos. São inúmeros os ataques: reforma da Previdência, reforma administrativa, PEC emergencial (redução de carga horária e salário), etc”, desabafou.

Reeleito, Marco Couto toma posse no SindifiscoMG, foto site Sindifisco/MG

 

Diagnóstico equivocado


Ainda em defesa do funcionalismo público, disse que a prova cabal de que esse diagnóstico está incorreto é o próprio Fisco mineiro. “Temos as melhores avaliações do BID no país, receita subindo, tudo isso mesmo com o quadro “hiper” reduzido, envelhecido e sem concurso há quase 15 anos”, apontou. Segundo ele, os servidores públicos não são os responsáveis pela crise, mas parte da solução. “A saída é pelo aumento da receita”.

 

Fez coro com ele, o diretor da Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, Francelino das Chagas Junior. De acordo com Francelino, a polarização política elegeu o servidor público como “sanguessuga” do Estado. “Já fizeram até memes ridicularizando o servidor, o que é lamentável. Todo país desenvolvido precisa de servidores; na Europa é assim, nos Estados Unidos é assim. Nós, ao contrário, somos um país provinciano, patrimonialista, que ainda não entendeu que o Estado mínimo não serve à sociedade. O serviço público é fundamental para atingirmos o estado de bem-estar social. A sociedade aumentou, então é natural que aumente também o número de servidores”, observou o diretor da Fenafisco.

 

Subsecretário defende recuperação fiscal
 

A solenidade de posse da nova diretoria executiva do Sindifisco-MG para o biênio 2020/21 foi realizada no último dia 9. Presente ao evento, o secretário-adjunto de Fazenda de Minas, Luiz Cláudio Gomes, defendeu o regime de recuperação fiscal para o enfrentamento da crise.

 

“Minas está gastando mais do que arrecada. Precisamos entrar logo no regime de recuperação fiscal para conseguirmos sair da crise”, defendeu. O projeto de recuperação fiscal é do governo Zema (Novo) e depende de aprovação legislativa para que seja feita a adesão. “A despeito das dificuldades financeiras, os investidores estão vindo para cá, por causa da segurança jurídica dada pelo Estado”, garantiu ele.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

MAIS LIDOS

Anastasia descarta assumir vaga em Ministério

15.03.2017

1/4
Please reload

RECENTES
Please reload

ARQUIVO
Please reload

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2017 por Infograffo