Zema dá reajuste de 37% a policiais em 3 parcelas anuais

23.11.2019

Além de reconhecer as perdas, o governo Zema (Novo) cedeu à pressão de servidores da área de segurança e concedeu reajuste de 37%. A reposição se refere à inflação dos últimos quatro anos e será paga em três parcelas anuais: 13% em agosto do ano que vem. A segunda parcela, de 12%, em setembro de 2021 e a terceira, de 12%, em setembro de 2022.

 

 Zema participa da formação de bombeiros oficiais, reprodução do site Agência Minas/foto de Pedro Gontijo/Imprensa MG

 

O anúncio foi feito nesta sexta (22) após reunião com entidades e lideranças do setor na Cidade Administrativa. A medida atende à reivindicação dos servidores da área, que ameaçavam paralisar a segurança pública e até interditar rodovias. Temendo o colapso no setor, o governo manteve o tratamento especial que tem dado à categoria. A quebra da isonomia perante o restante do funcionalismo poderá gerar reações em cadeia em outras áreas.

 

Tratamento especial para 13º também

 

O tratamento especial foi dado também com relação ao pagamento do 13º salário e ao fim do parcelamento dos salários. O governo se comprometeu a pagar os salários dos servidores da segurança em única parcela a partir do 10º dia útil de dezembro. Aos demais servidores, a medida só será aplicada se o governo for bem-sucedido na operação de venda dos royalties do nióbio dos próximos 12 anos. O projeto já foi aprovado pela Assembleia Legislativa em primeira votação. A segunda acontecerá até o dia 5 de dezembro.

 

Com a operação, o governo espera arrecadar de R$ 4 bilhões a R$ 6 bilhões. Se assim for, o governo irá quitar integralmente o 13º salário para todos os 600 mil servidores estaduais. Com o restante do dinheiro, extinguirá o parcelamento de salários a partir do dia 5 de janeiro para todos os servidores.

 

Sem previsão para os outros servidores

 

Caso a operação do nióbio atrase, o governo se comprometeu com os policiais civis e militares e agentes penitenciários a pagar o 13º deles em três parcelas: 21 de dezembro, 21 de janeiro e 21 de fevereiro. Para o restante do funcionalismo, o governo não fez previsão. A última vez que falou sobre isso, Zema mandou “perguntar aos bancos”, referindo-se à operação de crédito do nióbio.

 

Diante disso, as lideranças e deputados ligados à segurança estão convocando os servidores da área para acompanhar e pressionar a tramitação final do projeto na Assembleia. Como fizeram na votação do 1º turno.

 

Pressão de policiais por reajuste deixa indefinida data do 13º salário

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

MAIS LIDOS

Anastasia descarta assumir vaga em Ministério

15.03.2017

1/4
Please reload

RECENTES
Please reload

ARQUIVO
Please reload

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2017 por Infograffo