Senado aprova inclusão de servidor estadual na nova aposentadoria

Por 56 votos a 11, o Senado Federal aprovou, nesta quarta (5), a PEC que estende as novas regras de aposentadoria e pensões a servidores estaduais e municipais. É a chamada Proposta de Emenda à Constituição paralela à reforma da Previdência.

 

Sem a reforma da previdência, a situação financeira de alguns estados, como o de Minas Gerias, ficaria caótica. De acordo com previsão do governador Romeu Zema (NOVO), sem as mudança, o déficit de Minas com a previdência poderia chegar, em 2022, a R$ 78 bilhões.

 

Com a aprovação (ainda em 1º turno), fica criada a possibilidade de estados e municípios seguirem as mesmas regras aprovadas para os servidores federais. Após a aprovação em 2º turno no Senado, a matéria irá à apreciação da Câmara dos Deputados em dois turnos. Uma vez aprovada, cada Assembleia Legislativa estadual terá que confirmar a reforma.

 

De acordo com a PEC aprovada, estados e municípios poderão adotar integralmente a proposta por meio de lei ordinária. Poderão ainda rever a decisão por meio de projeto de lei, desde que feita a 180 dias do fim do mandato do governante.

 

Confira o que foi aprovado

 

De acordo com o texto, a aposentadoria será de 100% no caso do servidor com incapacidade por deficiência ou provocada por doença neurodegenerativa. Fica garantida a integralidade e paridade (reajustes iguais aos da ativa) do salário para aposentadoria dos policiais que ingressaram na carreira até 2003.

 

Haverá também a possibilidade de acúmulo de pensões quando existir dependente com deficiência intelectual, mental ou grave. O tempo de contribuição mínima para homens que ainda não ingressaram no mercado de trabalho foi reduzido de 20 anos para 15 anos.

 

A expectativa é que a inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência cause economia de R$ 350 bilhões em 10 anos.

 

PEC oficial será promulgada no dia 12


Ainda há destaques pendentes de votação. Depois de apreciados, a PEC precisa ser votada novamente, em 2º turno, precisando de ao menos 49 votos.

 

A PEC paralela faz alterações na reforma da Previdência enviada pelo governo ao Congresso Nacional, que ainda espera a promulgação. A principal delas alcança Estados e municípios.

 

A criação do texto paralelo foi definida para evitar que a mudança atrasasse a tramitação da PEC oficial. Após a aprovação da PEC paralela levou o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), marcar a promulgação do texto da reforma principal para a próxima 3ª feira (12).

 

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), preside votação da PEC, foto Waldemir Barreto/Agência Senado

Com Fiemg, Zema ganha apoio de peso para ajuste fiscal e venda de estatais

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

MAIS LIDOS

Anastasia descarta assumir vaga em Ministério

15.03.2017

1/4
Please reload

RECENTES
Please reload

ARQUIVO
Please reload

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2017 por Infograffo