Adesão de Zema é resposta ao STF para manter liminar em favor de 'moratória'

O projeto de adesão de Minas ao programa federal de recuperação fiscal não efetiva, se aprovado, a submissão do estado ao governo federal e suas regras. Pelo menos, nos termos de um dos três projetos enviados pelo governador Romeu Zema (Novo) à Assembleia Legislativa, na quarta (9).

 

Seu objetivo exclusivo é o de atender às condições do Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir e manter as liminares concedidas sobre a dívida de Minas. As sentenças judiciais evitam bloqueios de recursos públicos do estado para pagar parcela mensal da dívida. O valor dela é de cerca de R$ 500 milhões. A dívida de Minas, com a União, é de cerca de R$ 100 bilhões. Se tivesse que pagar as parcelas suspensas da dívida com a União, Minas teria que desembolsar R$ 9 bilhões de imediato

 

A suspensão do pagamento (espécie de moratória) foi adotada em dezembro de 2016, desde que o estado decretou estado de calamidade pública. Por meio dele, Minas ficou autorizado a flexibilizar regras da Lei de Responsabilidade Fiscal. Por conta dessa condição atípica, o estado poderia ultrapassar os limites de gastos com servidores, atrasar o pagamento de dívidas, entre outras. A medida foi adotada pelo então governador Fernando Pimentel (PT).

 

O governo federal tem argumentado, nos autos em sua defesa, que, para a suspensão dos pagamentos, seria indispensável o comprometimento do estado com o Regime de Recuperação Fiscal.

 

Formalização de boa vontade

 

O projeto enviado por Zema apenas formaliza, em si, a intenção do governo em abrir negociação com o governo federal. Não define nem autoriza, por exemplo, a congelar reajuste salarial, promoções e incentivos fiscais. Além de suspender pagamento de parcela da dívida com a União. “É a decisão de colocar Minas apta a governar com o governo federal”, disse o líder do Bloco Independente ‘Liberdade e Progresso’, deputado Cássio Soares (PSD). De acordo com o líder do Bloco Democracia e Luta, de oposição, André Quintão (PT), o projeto é polêmico e requer mais debates.


Além desse, o segundo projeto prevê a realização de operação de crédito para que o estado acabe com o parcelamento de salários e garanta o 13º salário deste ano. A medida será garantida pelos dividendos da estatal do nióbio, a poderosa Codemig (Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais). Todos os 600 mil servidores estaduais serão contemplados. O terceiro autoriza o estado a vender a Codemig, a mesma que, agora, socorre o governo paga pagar o 13º salário e extinguir o parcelamento de salários.

 

O que é calamidade financeira

A calamidade financeira é decretada em situações graves, para enfrentar situações extremas que podem colocar em risco a população do estado. De acordo com a Constituição, os casos de calamidade permitem também que governantes tomem os chamados empréstimos compulsórios, entre outros.


Discurso de Zema na apresentação do Programa Todos por Minas

 

“Me dirijo a todos os mineiros e mineiras. Hoje, damos o primeiro passo para a recuperação econômica do nosso Estado. Como todos sabem, Minas Gerais sofre. Sofre com falta de dinheiro para comprar medicamentos, com postos de saúde sucateados, com escolas que precisam de reformas e também com seus servidores, que foram penalizados com o parcelamento dos salários.

 

O Estado está falido. É uma triste constatação. Mas necessária. Nossas contas simplesmente não fecham. Herdamos um rombo de R$ 34,5 bilhões. Mas, já tínhamos uma dívida de R$ 108 bilhões. Fora isso, o orçamento desse ano vai fechar com déficit de R$ 15 bilhões. É como se em uma casa uma família gastasse muito mais do que ganha para pagar as contas do mês e ainda possui dívidas com bancos sem ter como pagar as prestações. O que fazer?

 

Trago um dado que será útil nas nossas discussões sobre os rumos para Minas. Desde o ano passado, não pagamos prestações de dívidas que temos, especialmente com a União. Graças a medidas liminares, o Supremo Tribunal Federal nos permite que não tenhamos recursos bloqueados pela falta de pagamento. Porém, o STF condicionou isso às negociações para que o Estado possa aderir ao Regime de Recuperação Fiscal. Hoje, se essas liminares caírem, teremos que pagar quase que imediatamente R$ 9 bilhões. São três folhas de pagamento do funcionalismo. A conjuntura exige muita reflexão.

 

"Temos de ir fundo"

 

O que vimos em Minas Gerais foram recursos extraordinários oriundos de diversas fontes, como os depósitos judiciais para cobrir um rombo momentâneo. Isso não adianta. Temos de ir fundo. Tratar o problema na raiz. Não adianta fechar os olhos à realidade, já dizia Juscelino Kubitschek. Continuaremos na luta pelos recursos da Lei Kandir. Mas sabemos que, apenas essa verba não é necessária para solucionar nossos problemas, que tem fundo estrutural.

 

Mineiros e mineiras, é preciso coragem para mudar o futuro. Não queremos ver nossa gente sofrer ainda mais. Quero devolver a vocês a esperança no Estado. Temos que prestar melhores serviços. Não faremos isso sem a adoção de medidas duras, porém, extremamente necessárias.

Nossa autonomia não está e nunca esteve à venda! Minas é forte. Temos valores que são intocáveis. Hoje, no intuito de devolver aos mineiros a possibilidade de dias melhores, lançamos o Todos por Minas.

 

Ele é um programa que, se aprovado pela Assembleia Legislativa, dará ao Estado a chance de aderir ao Regime de Recuperação Fiscal. O Regime é um plano do Governo Federal que socorre estados em dificuldades financeiras, desde que eles se comprometam a equilibrar as suas contas. Nós oficializamos à Assembleia Legislativa, por meio de projeto de lei, a intenção em aderir ao programa.

 

Semelhança com caso do Rio de Janeiro

 

O Rio de Janeiro passou por problema semelhante ao nosso. Os servidores daquele Estado não estavam com salários parcelados como os nossos. Os vencimentos deles chegaram a ficar meses em atraso. O caos estava instalado. O Rio aderiu ao Regime. O socorro não é a curto prazo. Hoje, o Rio busca a estabilidade com um cenário muito mais favorável que aquele lá de trás. Os servidores já podem contar com os seus vencimentos. Recentemente, o Estado do Rio manifestou não só o desejo de permanecer no Regime como também o de prorrogá-lo. O Rio Grande do Sul também está em tratativas para aderir ao programa federal. Por lá, o Governo fracionou as propostas.

 

Minas Gerais oficializa hoje caminho parecido. Queremos equilibrar nossas contas. Faremos isso com uma ampla discussão com a sociedade e com o Parlamento.

 

Após diálogo com o Legislativo, decidimos enviar os três primeiros projetos de lei de uma série de outros que virão. Começaremos o Todos por Minas com o projeto que pede a autorização para aderir ao Regime de Recuperação Fiscal. Também pedimos a autorização para vender a Codemig. Nosso objetivo é, futuramente, enviar novas propostas para privatização de outras empresas como a Cemig.

 

Fim de um ciclo

 

O Estado não deve ser responsável por essas empresas. Não temos condições de investimento nas estatais. Sei do orgulho que elas nos deram no passado, contribuindo para o desenvolvimento de Minas.

Porém, a economia muda, as perspectivas também. Foi um belo ciclo que se fechou. Agora, temos que nos abrir ao mercado para sermos competitivos e dar condições para que essas empresas possam contribuir ainda mais com o desenvolvimento mineiro. Só assim, retomaremos a pujança do Estado.

 

Também pedimos autorização para realizar uma operação financeira com créditos que o Estado tem direito na Codemig. A Advocacia Geral achou por bem dar toda a segurança jurídica ao investidor através de lei autorizativa. Com esse recurso, pretendemos ter fluxo de caixa para acabar com o parcelamento e ainda pagar o décimo terceiro. Adiante, enviaremos outras propostas que nos possibilitarão pedir a adesão ao programa federal. Esse é o início de um processo amplo que nos permitirá dar um futuro aos mineiros e mineiras.

 

Peço a todos um voto de confiança. Temos uma equipe altamente qualificada que trabalha dia e noite com um único propósito: resgatar Minas Gerais. Já conseguimos muitos avanços como a atração de investimentos, de novas empresas e a geração de empregos. Foram 106 mil novas vagas nesse ano. Porém, tudo isso não é capaz de equilibrar nossas contas.

 

"Estamos abertos ao diálogo e às discussões"

 

Temos que ter coragem para mudar o presente. Estamos abertos ao diálogo e às discussões. Tenho certeza de que o Legislativo, o Judiciário, O Tribunal de Contas, o Ministério Público e a sociedade mineira estarão unidos, Todos por Minas Gerais.

 

Finalizo deixando uma mensagem de JK, mineiro que tanto nos orgulhou e que abriu uma nova era, como a que abrimos hoje, com desafios diferentes, mas com o mesmo espírito, em prol do Estado.  “É inútil fechar os olhos à realidade. Se o fizermos, a realidade abrirá nossas pálpebras e nos imporá a sua presença.

 

Não vamos fechar os olhos para Minas Gerais! Muito obrigado!”

 

FOTO RENATO COBUCCI/Imprensa MG: Zema apresenta os projetos à Imprensa no BDMG

 

 

Sabatinas de secretários na Assembleia vão travar ajuste fiscal de Zema

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

MAIS LIDOS

Anastasia descarta assumir vaga em Ministério

15.03.2017

1/4
Please reload

RECENTES
Please reload

ARQUIVO
Please reload

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2017 por Infograffo