Meio político vê desânimo de Pimentel para a disputa

Toda vez que se enfrenta uma crise financeira, recorre-se a reformas para justificar ou tentar consertar em vez de buscar a superação pelo crescimento. E a da Previdência é a mais visada. Mexer nas aposentadorias é um assunto proibido, como sucedeu na reforma da Previdência, processo no qual o PT do governador Fernando Pimentel foi a oposição maior. Reformas são necessárias, mas são apenas lembradas em momentos de grave crise, ou então, em período eleitoral.

Seja como for, como quer ficar mais quatro anos, o governador precisa dizer aos mineiros como irá colocar as contas em dia sem afetar direitos conquistados e adquiridos. É preciso achar o caminho do crescimento, não o do aprofundamento da crise. A reação do governador repercutiu mal no meio político, que a traduziu como desânimo para a disputa que vem aí. Daí as especulações de possível desistência.

No momento, há mais boataria do que realidade. Na semana passada, as especulações apontavam que, no lugar dele, disputaria a eleição para governador, neste ano, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Foi por isso que decidiram confirmar a pré-candidatura dela ao Senado, na quinta-feira passada (28), dando um passo na direção já anunciada. Agora, a especulação é de que o empresário Josué Alencar (PR), filho do ex-vice-presidente da República José Alencar, poderia ser o candidato. Ele também está cotado para ser o vice.

As razões das especulações são várias. A começar pelos problemas financeiros do governo em não conseguir honrar em dia seus compromissos, como o pagamento de servidores e repasses para as prefeituras. O próprio governador disse, nesta terça (3), que fica entre a cruz e a caldeirinha ao ter que definir e liberar o pagamento de despesas e que prioriza, quase sempre, a segurança pública, como a gasolina para as viaturas em desfavor da gasolina do transporte escolar para levar as crianças às escolas no interior mineiro.

No mesmo desabafo, Pimentel reclamou do rombo nas contas do estado causado pela folha de pagamento dos aposentados e defendeu uma reforma previdenciária para ajustar as contas. De acordo com ele, a folha dos aposentados custou R$ 21 bilhões no ano passado, enquanto o estado arrecadou só cerca de R$ 5 bilhões no mesmo período.

Do ponto de vista político, a situação também é complexa desde que ele perdeu o apoio do presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes (MDB), por conta das composições para a eleição. Não se sabe ainda se perdeu o apoio da base política. Ainda tem um pedido de impeachment na Assembleia contra ele, parado em uma gaveta, mas apontado na direção dele.

O receio maior do governador é não conseguir apoio dos deputados estaduais para aprovar projetos que podem tirar o estado da crise. São três projetos em tramitação com esse objetivo. Um deles, é o da securitização da dívida ativa, permitindo vendê-la a bancos (renderia de R$ 3 a 4 bilhões); o segundo, autoriza a venda de parte (49%) da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais, a estatal do nióbio (outros R$ 5 a 6 bilhões), e o terceiro, um empréstimo de R$ 2 bilhões para pagar precatórios. Estão na pauta do Legislativo, mas o tempo corre contra eles. Daqui a uma semana, os deputados entram em recesso e, depois, em agosto, irão priorizar a campanha eleitoral por suas reeleições.

Difícil a situação, mas não há sinais de desistência por parte de Pimentel. Tanto é que seus aliados mantêm conversas para apoiar a reeleição dele com cinco partidos: PR, PCdoB, PMN, PSDC e PV. Há dois cargos disponíveis na chapa: para vice-governador e senador, já que, neste ano, duas vagas terão que ser preenchidas no Congresso Nacional.

FOTO MANOEL MARQUES/IMPRENSA MG: Governador discursa em Sete Lagoas, onde entregou 455 ônibus escolares a 328 municípios

video sonegação2.png
MAIS LIDOS
RECENTES
ARQUIVO
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2017 por Infograffo